CABERJ – DESCONTO EM CONTRACHEQUE – JUNHO/2018

Prezado(a) associado(a),

Após reunião realizada no dia 05/07/2018 na Secretaria de Fazenda e Planejamento, com a participação de representantes da CABERJ e da Sra. Kátia Rebelo, Superintendente de Recursos Humanos Previ-Banerj, prestamos a seguir os esclarecimentos complementares sobre o problema ocorrido na folha de pagamento de junho/2018:

Desde o dia 10 de junho de 2018 os servidores computacionais do Centro de Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro (PRODERJ) estão fora do ar, afetando diversos serviços, entre eles, a geração da folha de pagamento do Estado.

Visando não gerar maiores prejuízos aos aposentados e pensionistas do Previ-Banerj com a suspensão do pagamento da folha, a Secretaria de Fazenda e Planejamento informou ter tomado a decisão de “espelhar” a folha de maio/2018 em junho/2018, repetindo, portanto, as verbas do mês anterior.

Tal situação gerou grande transtorno tanto para a consignante CABERJ, quanto para o consignatário, seu beneficiário, sendo necessário, batimento dos valores em conjunto com a Secretaria de Fazenda e Planejamento, a partir de disponibilização de arquivo eletrônico, com o objetivo de  apurar as divergências e alinhar os procedimentos necessários para regularização da cobrança.

Ressaltamos que a CABERJ está empenhada em resolver no menor prazo possível o transtorno causado e se compromete em informa-los sobre o andamento das ações que estão sendo alinhadas com a Secretaria de Fazenda e Planejamento.

A seguir, relacionamos matéria veiculada em mídia com o respectivo link:

Jornal EXTRA – 04/07/18 – PRODERJ adia outra vez previsão de retorno do sistema de dados do Estado; falha dura 25 dias.

Clique no link para ler a matéria:

https://extra.globo.com/noticias/economia/proderj-adia-outra-vez-previsao-de-retorno-do-sistema-de-dados-do-estado-falha-dura-25-dias-22851608.html

Central de Atendimento Caberj
(21) 3233-8855

Central de Atendimento Pós-60
(21) 3233-8890

Caberj com você
(21) 2042-1991

Convite para o workshop CABERJ – 04-04-2018

 

C O N V I T E

 

A ANBEP, sempre vigilante e atenta com os destinos da nossa CABERJ, ante dúvidas e questionamentos de seus associados, convidou toda a Diretoria e Conselheiros da nossa Caixa de Assistência à Saúde para uma reunião em nossa sede, no dia 22 de março.

Estiveram presentes 96 associados.

Em razão do tempo insuficiente e do enorme interesse demonstrado, resolvemos realizar um novo encontro, desta vez num espaço bem maior, onde diretores e conselheiros da CABERJ esclarecerão dúvidas sobre notícias, falaciosas ou não, que vem sendo veiculadas sobre a nossa CABERJ.

CONVIDAMOS os interessados, ainda que não associados, para tirar suas dúvidas, e participar do workshop amanhã, dia 04.04.2018, a partir das 13 h, no Club Municipal.

Aguardamos você!

 

Endereço:   RUA HADDOCK LOBO, 359 / 6º andar – TIJUCA

Horário de Início: 13 horas

Diretoria e Conselhos da ANBEP

Frebre Amarela

Quem não deve

1. Imunossupressão: Esta é principal contraindicação. Isso significa que as pessoas que por alguma razão estejam com o sistema imunológico comprometido por quaisquer doenças ativas que cursem com imunossupressão e/ou pelo uso de quaisquer medicamentos que levem à imunodepressão - como quimioterápicos ou corticoides em altas doses- não devem receber a vacina.

2. Gestantes: APENAS as gestantes que moram em área de extremo risco, localizadas em 75 municípios do Brasil, devem tomar a vacina. Não há orientação para vacinar as gestantes que NÃO residem nestas áreas.

3. Alergia Grave ao OVO: Pessoas que tem alergia importante e grave ao ovo não devem receber a vacina.

4. Bebês com menos de 6 meses de idade: O vírus da vacina pode causar problemas neurológicos nos bebês pequenos. As mães que amamentam bebês com menos de 6 meses de idade também NÃO devem receber a vacina, a não ser em situações de risco muito específicas, uma vez que depois da vacina estas mães devem ficar pelo menos 10 dias sem amamentar.

O leite deste período deve ser desprezado, o que é uma pena. Por isso, recomenda-se que mães lactantes de bebês com menos de 6 meses sejam individualmente avaliadas para que se possa ponderar o risco e o benefício da vacina ante a interrupção da amamentação.

Quem deve

A vacina está indicada para todas as pessoas de 9 meses até 60 anos de idade que não tenham nenhuma contraindicação.

A vacina dá muitos efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais mais comuns da vacina da febre amarela são os mesmos das outras vacinas: um pouco de dor no local da aplicação, dor no corpo, febre e mal estar. Importante lembrar que nem todas as pessoas apresentam estes sintomas.

Quantas doses são necessárias para garantir proteção?

UMA dose protege a vida toda, segundo os estudos mais recentes. Por isso, quem já tomou pelo menos UMA dose da vacina na vida NÃO precisa se revacinar, mesmo que esta dose tenha sido ministrada há mais de 10 anos. A única exceção é para as crianças de 9 meses a 5 anos de idade. Quem recebeu uma dose neste período deve receber um reforço depois dos 5 anos.

- Recebi um certificado de vacina contra a febre amarela para viajar e lá consta que devo fazer uma dose de reforço depois de 10 anos. Isso está valendo?

NÃO. Não está valendo mais. Esta era a orientação antiga que foi atualmente reformulada. As autoridades de saúde reconheceram que apenas UMA dose é suficiente para garantir proteção.

- E a dose fracionada? Funciona?

SIM. A dose fracionada da vacina, que começa em fevereiro de 2018 foi deliberada com o intuito de garantir proteção para um número maior de pessoas. Deve-se entender que a produção das vacinas contra febre amarela é limitada e não há como suprir as demandas de toda a população. Em vista disso, havia duas caminhos opções: vacinar integralmente apenas uma parte da população, deixando milhões de pessoas sem proteção; ou vacinar fracionadamente um número maior de pessoas, mais exatamente cinco vezes mais, quintuplicando a quantidade de gente vacinada e garantindo uma cobertura muito maior.

- Quanto tempo dura a proteção da dose fracionada?

Segundo os estudos realizados em Bio-Manguinhos/ Fiocruz a duração da vacina fracionada é de 8 anos.

- Isso é suficiente?

Sim. Em épocas de surtos funciona bastante. Imaginem que a febre amarela é transmitida pela picada do mosquito contaminado. Como este mosquito se contamina? Picando uma pessoa com o vírus. Assim, quanto maior o número de pessoas protegidas menor o número de mosquitos contaminados e consequentemente menor o número de pessoas infectadas. Resultado: consegue-se a contenção do surto naquele ano.

Não custa nada lembrar que os mosquitos transmissores de várias doenças podem se proliferar no lixo que todos nós largamos de forma irresponsável pelas ruas.

X